Visibilidade trans no M20!

Cara, eu AMO a Onyx Path Publishing! Eles são tipo a BioWare dos jogos de mesa.

Ontem eu encontrei esse bloco de texto da edição de 20 anos de Mago: A Ascensão enquanto surfava pela internet. E meu respeito pelos caras que trabalham na Onyx Path triplicou depois dessa.

O texto fala sobre fluidez de gênero e sexualidade entre os magos e os adormecidos (pessoas que não sabem fazer magia) e sobre a interpretação de personagens de realidades culturais diferentes da sua.

REPRESENTATIVIDADE IMPORTA SIM! É sempre bom ver obras incluindo pessoas trans e outras identidades de gênero como parte da sua realidade. Mesmo que seja em um jogo de nicho feito pra um publico hardcore de uma mídia super underground, como é o caso de Mago: A Ascensão.

Aqui vai uma tradução minha do conteúdo:

Interpretando o Outro

Jogos narrativos lhe dão a oportunidade de ser alguém que você não é. E para algumas pessoas, essa oportunidade inclui a chance e jogar como uma pessoa de uma cultura, idade, gênero, etnia, fé ou classe social diferente da sua. Entretanto, se e quando você tomar esse papel, por favor, trate-o com respeito. Especialmente quando se trata de interpretar personagens que fazem parte de algum grupo marginalizado é muito fácil acabar escorregando em estereótipos ofensivos, mesmo quando você não está tentando fazer isso. Para evitar tais deslizes, baseie sua interpretação na humanidade, e não em estereótipos.

Em um nível mais profundo, use o seu papel como uma oportunidade de examinar os preconceitos, os privilégios e as presunções da sua própria realidade cultural trocando a sua perspectiva e observando esses aspectos de outro ângulo. Se você for um cara jogando como uma mulher, pense sobre como deve ser realmente ser uma mulher. Você é uma pessoa branca? Então considere as formas as quais a sociedade trata pessoas cuja principal característica descritiva é que “elas são negras”. Um papel culturalmente diferente levado a sério pode abrir os seus olhos para aspectos da realidade que você pode não ter notado antes. E mesmo que isso não mude a realidade da sua experiência, esse papel pode ajustar a forma como você vê pessoas que são diferentes de ti.

Identidade de Gênero

Por mais que identidades de gênero e orientações sexuais ainda não tenham sido tão rigorosamente definidas quanto os conservadores culturais gostariam, o século 21 testemunhou um crescimento sem precedentes na conscientização sobre diversidade sexual e de gênero. E mesmo que isso faça algumas pessoas se cagarem de medo a noite, hoje em dia há muito mais liberdade para expressar e explorar potenciais além das polaridades masculino e feminino heterossexuais.

Magos sempre moldaram percepções com o tocar de seus dedos. Através do tempo e culturas, cross-dressing, inversão de gênero e intersexualidade foram coisa tratadas como ferramentas ou disposições mágicas, formas de transcender a ordem esperada. Algumas culturas se referiam a pessoas homossexuais ou transgêneras como duas-almas, rebises, andróginas ou hermafroditas, em homenagem à deidade bigênera filha de Eros e Psiquê. Outras culturas reconheciam a combinação e o cruzamento de gêneros como uma expressão de poderes místicos, um elo a deuses como Odin e Dionísio, cujos gêneros eram apenas máscaras para se arrancar quando necessário. Mas é claro que com gente sendo gente, tais associações muitas vezes eram desfavoráveis. Os códigos de conduta do Levítico, que permanecem conosco até hoje, são considerados por algumas autoridades como a condenação de todas as práticas e fés não judaicas, e portanto, profanas para os hebreus.

No decorrer das últimas décadas, uma combinação do ativismo pelos direitos civis e conscientização dos direitos humanos afastou as normas antigas. Uma pessoa gay ou trans no novo milênio pode ser muito mais aberta agora do que ela/ele/el/eli jamais poderia ter sido em épocas passadas. E com as antigas associações com poderes místicos e a nova liberdade de transcender papeis de gênero sem precisar ter medo que te levem pra fogueira, a ideia de identidade de gênero se tornou muito mais fluida – e mágika – do que jamais foi. E costuma ser muito mais estranho, principalmente em culturas queer, poliamorosas, transumanistas, neotribais e psicodélicas, ser simplesmente “cis hétero” do que abraçar e curtir alguma identidade fora das polaridades tradicionais.

Meu ponto? Você não precisa se limitar a rígidas polaridades de feminino e masculino, nem em Mago, nem na vida real. Seja quem você quiser ser. Tem mágika suficiente pra todo mundo.

E esse é o texto original:

1432226213379Uma salva de palmas pra equipe de M20 porque ela merece!

Um comentário sobre “Visibilidade trans no M20!

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.