Tutorial de Como Baixar Jogos de Graça

Você sabia que a Ubisoft é uma empresa comandada por predadores sexuais e abusadores psicológicos que não merecem um centavo do seu dinheiro?

Nas últimas semanas, todos os jornalistas de videogame que tem algum tipo de integridade profissional vem focando todos os seus recursos para investigar as alegações de violência física, abuso emocional e assédio sexual vindo de empregados e ex-empregados da Ubisoft, Take-Two Interactive, EA, Naughty Dog e sabe deus quem mais (sem nem falar dos crimes fiscais e de falsidade ideológica).

E nada disso é novidade, pra ser completamente sincera. A indústria do videogame é podre. Toda a cultura do videogame mainstream foi montada, desde o princípio, em cima de machismo, segregação, violência física e emocional, desrespeito aos direitos dos trabalhadores e consumidores, e, sim, abuso psicológico e sexual.

É realmente uma surpresa descobrir que uma indústria que se orgulha de pescar os jogadores mais psicologicamente vulneráveis pra arrancar todo o seu dinheiro seja liderada por abusadores e assediadores? Qualquer pessoa com 2 olhos e 1 cérebro podia ver o que tava acontecendo ali.

Continuar lendo

Pais de Videogame e Masculinidade: Geralt e Kratos

Hoje é Yule, a noite mais longa do ano, onde o nascimento da Criança da Promessa coincide com a Caçada Selvagem de Odin.

Ano passado eu expliquei pra vocês os básicos do Yule e o que nós da Wicca celebramos no dia 21 de junho.[1] Mas pra quem não leu: Esse feriado se trata do nascimento da “Criança da Promessa”, onde celebramos as bênçãos da maternidade, da paternidade, e da união e amor familiares.

Naquele texto eu acabei expressando uma certa frustração por praticamente não existirem videogames sobre maternidade no mercado mainstream. Por outro lado, a Paternidade vem sido muito bem trabalhada nas últimas duas gerações. Parece lógico o motivo pelo qual isso acontece: A grande maioria dos desenvolvedores de videogame são homens e muitos deles hoje em dia tem filhos pequenos, e experiência pessoal suficiente com os desafios da paternidade que pode ser refletida nos seus trabalhos artísticos com exatidão.

Eu não sou pai nem mãe. Pretendo ter filhas algum dia na minha vida, mas eu estou muito longe da maturidade emocional e da condição financeira social para realmente criar uma criança. Entretanto, eu sou filha, já fui filho, e eu tenho pensando muito em como a relação com meu pai poderia ter sido diferente e mais sadia se ele visse os exemplos de pais que eu vejo nos videogames hoje em dia.

Spoilers de God of War III e God of War (2018) a frente.

Continuar lendo

Naughty Dog e o Fascínio Com A Morte

Você já ouviu falar num livro chamado O Diário de Turner?

É horrível. Se você não leu ainda, considere-se abençoada. Esse livro vem sido usado como inspiração para ataques terroristas da extrema direita desde os anos 90 nos Estados Unidos, e é um resumo extremamente sucinto do que a essa visão política considera uma utopia, e o que é justo de ser feito para atingir essa utopia.

Tem resumos bem curtos e diretos sobre ele na internet [1] e esses resumos são todo o engajamento que você vai precisar ter com esse livro na sua vida inteira.

Continuar lendo

Mas Naquela Época! Elfos, Fadas e Anões.

Orlando Bloom de peruca loira surfando uma escadaria com um escudo enquanto atira flechas certeiras num exército de orcs. Se Tolkien já havia solidificado uma ideia de elfos bastante particular na mente das leitoras de fantasia, Peter Jackson criou uma imagem ainda mais incrível na mente do público geral.

Elegantes, esguios, sem pelos faciais, extremamente atraentes e amantes de todas as coisas da natureza. Tolkien, Gygax, Jackson e todos os seus contemporâneos e sucessores resolveram representar elfos assim, como seres de luz e sabedoria que vieram de outro mundo. Romântico, não?
Mas essa não é a única forma de se representar elfos.

Continuar lendo

Responsabilidade Mútua em Lughnasadh e RimWorld

Quando Aragorn, o legítimo rei de Gondor, reconquistou seu trono, houve paz e prosperidade. Simba trouxe de volta a abundância e a justiça para o reino da savana. Hamlet, Arthur, Caspian, Zelda, T’chaka, Vanellope. Todo rei e rainha que se prese precisa lutar pelo bem estar do seu reino, e garantir que ele prosperará em suas mãos responsáveis e não cairá nas garras do vício, da ganância e da… “maldade”.

Por mais problemáticas que sejam histórias do “verdadeiro rei aparecer e tudo ficar bem” sejam, há um elemento mitológico que torna as lições desse tipo de história em um tipo de verdade interna que podemos levar para nossas vidas.

Essas verdades internas podem ser chamadas de arquetípicas, e o que o arquétipo do rei que retorna ao seu reino depois de enfrentar grande perigo nos ensina que para termos prosperidade nas nossas vidas é necessário responsabilidade e sacrifício.

Continuar lendo

Mas Naquela Época! Raças e o Trono de Ouro

Há MUITO tempo atrás eu escrevi duas matérias sobre como preconceito sexual surgiu na história do nosso mundo e como ele acabou sendo refletido de maneiras positivas e negativas dentro da Fantasia Medieval. E eu ia continuar o assunto explicando como Dragon Age lida com esse legado do nosso mundo para criar uma experiência muito diferente e refrescante.

Mas eu e Dragon Age terminamos o nosso relacionamento. Eu olhei pra todos os abusos incentivados pelo estúdio responsável pelo meu cenário de RPG favorito; olhei para o fato de que ele logo provavelmente será abandonado pela EA Games; olhei para todos os suplementos que ainda teriam que ser lançados para tornar Dragon Age um jogo verdadeiramente bom; e olhei pra Green Ronin simplesmente desistindo de esperar e lançando Fantasy Age no lugar. Olhei pra isso tudo e me senti obrigada a olhar nos olhos de Dragon Age e dizer “sinto muito, mas não tenho como continuar desse jeito”.

Nos abraçamos com um último beijo no seu rosto e partimos para onde os ventos pudessem nos levar.

Eu não sei onde Dragon Age está agora, mas eu me senti desolada depois do nosso término. Procurei e procurei por substitutos apropriados. Terry Pratchett? Shadowlord? Nada satisfazia o vazio ideológico deixado por Dragon Age. Então eu decidi tentar o impossível: Criar meu próprio cenário!

Depois de muitas noites mal dormidas olhando pra uma tela vazia do Word, eu finalmente consegui fazer… Algumas raças pra jogar com o sistema Modern AGE. E aí eu desisti de vez porque The Witcher apareceu como um bom substituto e eu não precisava mais fritar minha cabeça criando meu próprio cenário.

Mas aí eu pensei. Criar um cenário pode ser útil como exercício para analisar algumas problemáticas comuns dos mundos de Fantasia Medieval. Então, nesse texto, além de trazer pra vocês a problemática das Raças na Fantasia Medieval, introduzirei pra vocês O Trono de Ouro, uma fantasia da era das navegações sobre luta de classes e conflitos culturais.

E como eu comecei a escrever o cenário pelas suas dinâmicas raciais, acredito que esse seja o melhor ponto para começarmos nossa jornada.

Continuar lendo

Mario e Sonic Praticando Esportes no Solstício de Verão de 2019

Puta que pariu, que calor. Puta que pariu que estresse. Eu amava natal até pouco tempo atrás, mas quando você resolve trabalhar em varejo vira literalmente a pior época do ano. É um corre corre infernal pra comprar presentes! Crianças são levadas pro shopping pra ter um curso intensivo de consumismo e isso me enoja.

No meio do estresse desse trabalho temporário eu acabei esquecendo que dia 21 foi um dos Sabbaths Menores, o Solstício de Verão. O que é irônico porque consumismo, querendo ou não, acaba tendo tudo a ver com esse solstício, mesmo que de forma deturpada e corrompida.

Continuar lendo

Assistir Netflix E Jogar Videogame Virou Trabalho

Você consome, vive, experimenta ou decodifica mídia? Mike Rugnetta fez essa pergunta em 2016, e hoje com os anúncios de que a Netflix vai te permitir assistir o seu acervo em 1.5x a velocidade normal essa pergunta volta pra minha cabeça.

Stuart Hall argumenta que o consumo de mídia não é passivo. Experimentar arte é um processo complexo de codificação e decodificação que sempre acontece de uma decisão ativa da parte consumidora de fazer parte desse processo. Esse consumo resultará em algum subproduto – geralmente na forma de opiniões, crenças, posicionamentos, sentimentos, reflexões e outras obras de arte que a própria consumidora pode criar – sob o qual as experiências, crenças e pontos de vista do próprio consumidor terão ainda mais peso do que aquilo que o próprio autor colocou sobre a mídia que foi consumida.

Existem várias formas de consumir mídia, e, a partir desse ponto de vista, Rugnetta argumenta que o ato do que nós fazemos com mídia na verdade é uma decodificação – não um consumo – que exige todas essas experiências e decisões para criar diferentes subprodutos. Por isso pessoas diferentes podem ter leituras diferentes da mesma obra, ou uma pessoa só é capaz de ler uma obra de várias formas diferentes sem que nenhuma delas esteja inerentemente “certa” ou “errada”.

A mídia, entretanto, e as obras de arte em particular, vem sido sucateadas pelo neo liberalismo que dita que todas as faces das nossas vidas devem ser produtivas de alguma maneira. Consumo ou decodificação de arte outra hora foi prazer, mas agora é um trabalho que quase todas nós tomamos parte. E não parece haver escapatória.

Continuar lendo

Sendo Gostosa Que Nem A Bayonetta no Beltane de 2019

Por incrível que pareça, o dia das bruxas não é oficialmente celebrado por nenhuma religião neo pagã que siga a roda do ano do hemisfério Sul. Afinal, aqui estamos no meio da primavera e a energia natural é bem diferente no hemisfério Norte onde o outono começa a dar espaço pro inverno.

O dia 1 de novembro para pagãs do nosso hemisfério é o dia de Beltane. O festival do sexo, da fertilidade e do casamento. Onde humanos, bem como vários outros animais na primavera, cortejam uns aos outros para trocar carícias, fluídos, e as vezes, genes. Tentando imitar a Deusa e o Deus que hoje se casam.

Continuar lendo

O Sacrifício do Herói e A Jorndada da Heroína: Dark Souls e Hellblade

Se imagine no escuro. No frio. Você sabe que há um mundo lá fora esperando por você e seus colegas, mas ele é inalcançável. Mas ali você encontra uma chama. Uma chama tão forte que lhe confere o poder – não – a responsabilidade de levar o seu povo para o mundo lá fora, destruir aqueles que os aprisionaram, e tomar esse mundo como vosso.

É o que aconteceu com Gwyn no prelúdio de Dark Souls, aclamado videogame desenvolvido pelo estúdio FromStofware.

Continuar lendo