Electronic Asco, ou, Como o Capitalismo Destrói Tudo Que Você Ama Dragon Age Edition

Na manhã do dia 2 de Abril de 2019, Jason Schreirer publicou no Kotaku uma história muito interessante e dolorosa sobre como aconteceu o turbulento desenvolvimento de um dos jogos mais decepcionantes da atualidade: Anthem.

How Bioware’s Anthem Went Wrong

Eu pensei em entrar em contato com o Kotaku pra ter permissão de traduzir a história toda como ela foi realmente escrita, mas eu não tenho certeza ainda de como fazer esse contato (até porque o grupo Gizmodo já tem uma filial brasileira, mas eles parecem mais interessados em carro do que em videogame).

Enquanto isso não acontece eu preciso pelo menos tirar isso do meu sistema: Eu estou mais que decepcionada. Eu estou profundamente horrorizada.

Continuar lendo

Gratidão e Minecraft no Equinócio de Março de 2019

Eu sei. As coisas andam meio estressantes ultimamente e não parece que tem muita coisa pra gente ser grata acontecendo. O mundo tá uma bosta e as nossas vidas pessoais provavelmente também estão uma bosta. E se você quiser botar a culpa nas estrelas, a estrela em questão é o Sol, que no dia de hoje entra em equinócio com o nosso planeta e logo deixará de agraciar o hemisfério Sul com seu calor escaldante.

Continuar lendo

Ubisoft: The Movie

Alguém aqui assistiu Assassin’s Creed? Em teoria eu assisti, mas não tenho certeza se isso funciona na prática. Esse filme não faz sentido nenhum. Assim como as práticas do mercado de videogames AAA. Esse filme parece até uma alegoria pra elas.

Eu vou ser a primeira pessoa admitir: Eu gosto de Assassin’s Creed. Assassin’s Creed é uma bosta hoje em dia, e a Ubisoft representa tudo que há de ruim na indústria AAA ocidental, mas eu gosto. Eu me divirto. Tenho uma tradição de sempre jogar o último assadinho junto com um amigo próximo meu e a gente adora cada nova entrada ruim na série.

Mas eu não posso perdoar o filme. E muito a Ubisoft.

E não se preocupem que não vai ter spoiler. Continuar lendo

Terra-Média: Sombras de Sexismo

Nunca teve muitas personagens femininas em Senhor dos Anéis, e eu serei a primeira fã da série a admitir isso. Mas as poucas que estão lá são muito legais: Galadriel, Arwen, Éowyn (que é a personagem mais foda da série, diga-se de passagem). Nenhuma personagem é trans, mas o livro foi escrito em 1937~45. Vamos dar um desconto pro autor né?

Acontece, que em 1937 o Tolkien já tinha noção de que mulheres não precisam ser troféus pra história de um cara ou estar sempre em perigo. Mesmo a Arwen, que é a personagem mais sem sal dos filmes (eu detesto os livros de Senhor dos Anéis. Me crucifiquem), tem seus vários momentos de heroísmo.

Mesmo assim em pleno ano 2014, escritores da Monolith Games que trabalharam em Terra-Média: Sombras de Mordor não conseguem escrever UMA porra de uma personagem feminina que não seja uma donzela em perigo.

Em um jogo baseado na obra do Tolkien, ainda por cima.

Eu me senti particularmente ofendida com isso.

Aqui tem spoilers de O Senhor dos Anéis e Terra-Média: Sombras de Mordor (mas sério, a história desse jogo é uma bosta. Não ligue pra spoilers de histórias bostas). Continuar lendo

Ubifoda-se lança pacotes de pré-compra para ingressos de Assassin’s Credo

Eu costumava gostar de Assassin’s Creed. Assassin’s Creed era bom. Assassin’s Creed 2 era muito bom. Assassin’s Creed Brotherhood era muito bom. Assassin’s Creed Revelations foi meio podre, mas Assassin’s Creed 3 foi muito bom!

E depois a Ubisoft resolveu mostrar sua cara. E pato que partiu, que cara feia. Continuar lendo