Apesar de tudo, jogos ainda são arte.

Eu to tentando falar sobre videogames como arte desde que a Thais Weiller publicou “Jogos Não São Arte” (texto que você provavelmente deveria ler), e eu queria muito elaborar um contra ponto pra mostrar o quanto eu discordo do seu ponto, mas, no final das contas, depois de 2 anos de deliberação, eu noto que ela está certa… Mais ou menos.

Continuar lendo

Lughlogia – Jogos de Mesa e Paganismo

Eu não costumo falar de religião aqui no blog. Não é o tipo de coisa que fica se divulgando a torto e a direito, por mais que eu fale algo sobre os sabbaths da Roda do Ano na página do facebook.

Mas hoje é diferente. Hoje é Lammas. Hoje é Lughnasadh. Hoje é o dia da primeira colheita da Roda do Ano Céltica no hemisfério sul, em que a gente monta bonequinhas de palha e joga joguinhos.

Eu já fiz o ritual de Lammas no dia 31 do mês passado, mas a data “oficial” é dia 2 de Fevereiro, e algo que eu não apontei no post do facebook sobre o assunto, é que este é o sabbath dos jogos! E esse é um blog sobre jogos! Parece um casamento perfeito 8D Continuar lendo

Apropriação Transgênera

Falar sobre personagens transgêneras em videogames é algo extremamente complicado porque elas não existem.

A maior parte de vocês sabe que isso é provavelmente a coisa que eu mais faço nesse blog: Falar de personagens trans em jogos de videogame. Mas tirando o Krem, a Erica e a Sya, nenhuma dessas personagens é canonicamente transgênera. Na verdade eu tenho uma lista enorme de personagens das quais falar na coluna Trans In Games, mas sabem quantas dessas personagens são canonicamente trans?

Quatro…

Então porque eu falei de tantas outras personagens falando que elas são trans, sendo que elas não são canonicamente trans?

É algo que eu tenho pensado muito comigo mesma e com algumas amigas trans minhas. E acho que isso seria algo chamado de “Apropriação Transgênera”. E isso é uma coisa boa e necessária pra gente conseguir criar o nosso próprio espaço na comunidade gamer.

E se você for um homem cis vindo aqui dizendo que a gente não pode se apropriar das personagens, nem se dê ao trabalho de ler o resto. Vai fazer algo útil tipo alimentar seus bichinhos de estimação. Eles precisam de ti. A gente não. Continuar lendo