Lughnasadh 2019, Donkey Kong 64 & Visibilidade Trans

Sabe quando você está jogando um RPG medieval qualquer, e aí você chega num vilarejo aleatório e está tendo um “festival da colheita” cheio de jogos, brincadeiras, e quitutes deliciosos? Mas, principalmente, um campeonato que suas personagens provavelmente vão ser obrigadas a participar?

Talvez a sua narradora não saiba, mas isso provavelmente foi baseado numa celebração que os antigos irlandeses chamariam de Lughnasadh, que ainda acontece tradicionalmente no dia 1 de Agosto na Irlanda e outros lugares que herdaram essa cultura no hemisfério norte, ou no dia 2 de Fevereiro para neo pagãs do hemisfério sul.

E o Lughnasadh foi bastante especial esse ano, graças a Donkey Kong 64, sereias e um certo menino que adora soja.

Continuar lendo

Sim, nem todo homem

Se você sincera e completamente acredita todo homem cis heterossexual é um monstro estuprador com tentáculos saindo das calças só esperando uma buceta pra violar… Você tem uma noção bastante limitada sobre masculinidade, hein, amigue?

Eu entendo ter nojinho de homem – eles normalmente tem cheiro de testosterona e comida presa na barba. E eu entendo ter medo de homem – eu nem consigo abraçar a maioria deles.

Mas mandar ele ficar quieto e ameaçar cortar o pênis dele só por ele estar expressando uma opinião inofensiva que você não concorda SÓ por ele ser homem é ir um pouco longe demais e é uma prática muito potencialmente transfóbica. Continuar lendo

Eu Sou Uma Mulher Trans. Estou No Armário. Não Vou Sair Dele.

Antes de vocês passarem pro texto da Jennifer, eu, a editora, Felicia Guerreiro, gostaria de fazer umas observações.

Esse texto não é a coisa mais polêmica do mundo na internet anglófona (que fala inglês), mas várias ideias apresentadas aqui provavelmente vão demolir algumas ideias de transgeneridade populares na comunidade LGBT e feminista brasileira. A autora do texto também desafia a forma como o feminismo é feito e propagado nos dias de hoje enquanto conta uma história muito íntima sobre a sua transgeneridade. E eu AMO essa autora por isso.

Não tomo as palavras dela como as minhas, mas defendê-las-ei com tudo que tenho.

E esse texto também tem uma linguagem um pouco acadêmica e difícil de entender. Eu geralmente não gosto de publicar esse tipo de texto, mas abri uma exceção pela mensagem aqui ser poderosa demais pra deixar passar.

TEXTO ORIGINAL

Eu Sou Uma Mulher Trans. Estou No Armário. Não Vou Sair Dele.

Texto por Jennifer Coates; Traduzido por Felicia Guerreiro

Continuar lendo

Sobre Passabilidade E Disforia

Arte por Tessa Black

Aí a Felicia aparece aqui pra vocês dizendo “passabilidade não existe e pessoas cis são bobonas”. E aí? Como é que fica esse abalo das estruturas da ideia de transgeneridade? Provavelmente não vai abalar porra nenhuma pra você porque eu não sou a primeira pessoa trans no Brasil apontando o quão ridícula é essa ideia de passabilidade.

Mas quanto mais vozes melhor né? E algo meio besta aconteceu comigo uns dias atrás pra provar que passabilidade cisgênera simplesmente não existe. Continuar lendo

Terrorismo Doméstico e Sofrimento Empático

TW: Todos. Esse post é horrível.

As meninas das fotos são Keyla França e Leelah Alcorn, ambas mulheres trans vítimas de suicídio. A foto da esquerda foi tirada no desastre de Orlando.

Primeiramente: Pra quem acha que isso é mimimi GGGG branco: Vai se foder. A hostess do evento era uma mulher transgênera porto-riquenha negra e teve outras mulheres, trans e cis, entre as vítimas feridas, mortas e aterrorizadas; e a grande maioria das pessoas na boate eram latinas. E mesmo que as vítimas fossem todas homens gays cis, o que tornaria a situação menos trágica?

No dia 12 de junho de 2016, um cara aparentemente gay que não queria sair do armário estava tão frustrado com a própria sexualidade que decidiu entrar numa das principais boates LGBT de Orlando nos EUA, com um rifle AR-15, pra provar que era macho. Este mentecapto fruto de uma cultura homofóbica matou 49 pessoas e feriu gravemente outras 53. Este imbecil foi morto pela polícia antes que pudesse matar mais alguém.

No dia 27 de maio, 33 homens coletivamente estupraram uma garota de 16 anos no Rio de Janeiro. Muitas outras garotas vítimas de abuso sexual cometeram suicídio quando viram a população brasileira negar o acontecimento diante de provas irrefutáveis. Ninguém ouviria essas garotas e a morte se provou mais atraente do que a luta pela verdade.

E misturando as duas tragédias? Bom, sites de notícia paranaenses cobrem as suas necessidades: No dia 14 de abril, 4 moleques de 15 a 17 anos estupraram e mataram uma jovem travesti de 14 aninhos de idade no interior do Paraná. Eles esconderam o corpo da criança que só foi encontrado uma semana depois. E a morte dessa menina é apenas uma nas mais de 85 mortes de pessoas trans e travestis no brasil que aconteceram SÓ NESSE ANO que não chegou nem na metade ainda. Isso sem contar os suicídios.

E eu chorei com cada uma dessas violências… Continuar lendo

20 Mulheres ALBT fictícias que inspiram a Felicia

Okay, eu sei que faz um tempo que o dia da mulher já passou, mas, ei! Antes tarde duke nukem.

Me inspirei num texto da Clarice do Ideias em Roxo e resolvi fazer uma lista de um monte de minas fictícias que eu curto pra caramba, mas a lista ficou grande demais, então eu fiz uma lista de personagens que me inspiram, e ainda assim ela ficou longa pra caralho, então eu encurtei mais ainda pra mulheres ALBT fictícias que me inspiram!

Isso inclui mulheres cis lésbicas, assexuais e bi/pan/poli/multi/omnissexuais, mulheres trans e pessoas transfemininas de todas as sexualidades, e pessoas com gênero fluído que passam boa parte do tempo se apresentando como mulheres.

E mesmo assim a lista ficou gigantesca. São 20 mulheres divididas em 16 itens e 4 categorias. E ainda tem mensões honrosas.

Antes de prosseguirmos com a lista, alguns esclarecimentos:
Continuar lendo

Hey, I’m cis! And I’m also cis!

Aaand we’re the Cis Grumps!

Uma das coisas mais frustrantes do mundo é ser fã de uma mídia transfóbica.

Sabem quando você tá assistindo aquele programa de TV super legal e aí falam “haha! Traveco!”. Ou você tá lá jogando Persona 3 super de boa e o Junpei “Você é um CARA?”.

Ou então, no meu caso, você está assistindo Game Grumps e o Arin fala “Sabe como alguns caras se identificam como mulheres? então, tem gente que se identifica com bicho. [insira piadas ridicularizando pessoas trans e otherkin aqui].”

É frustrante. É irritante. E eu to cansada.

Nesse post eu vou falar de algo mais pessoal e específico: Minha frustração, enquanto pessoa trans, com esse canal de Let’s Plays do YouTube chamado Game Grumps.

(Como eu não sabia com o que ilustrar o post, eu peguei umas fanarts maravilhosas da comunidade de Game Grumps que é igualmente maravilhosa… às vezes.) Continuar lendo

Aqun-Athlok, Transgeneridade Sob O Qun

Acabei de acordar de um sonho com um homem com a palavra Aqun-Athlok tatuada no peito.

Eu ando focando tanto em Dragon Age nessas últimas semanas que eu acho que está afetando meus sonhos, mas eu imaginei que seria uma boa hora de falar sobre O aspecto mais chato de Dragon Age: Inquisition: As contradições do Iron Bull sobre o Qun.

E também vou aproveitar e fazer um questionamento sobre inclusividade trans e apagamento intersexo.

Spoilers de Dragon Age: Origins, Dragon Age: Inquisition e Dragon Age: Those Who Speak. Continuar lendo

Trans In Games – Dragon Age – Maevaris Tilani

Aproveitando o climão de Dragon Age, eu resolvi falar sobre uma das personagens mais lindas da história da fantasia medieval. E também uma das poucas personagens no mundo dos jogos eletrônicos que é canonicamente trans.

CUIDADO, pois esse post contém spoilers de Dragon Age: Those Who Speak, Dragon Age: Until We Sleep, Dragon Age: Inquisition, Dragon Age: Inquisition: Trespasser  e…. Sense 8? Pois é.

Eu já falei dela em outro artigo (que eu recomendo que leiam antes de ler esse), mas agora eu quero entrar em mais detalhes sobre a vida, a magia e a beleza de… Continuar lendo

Guia Para a Linguagem Oral Não-binária ou Neutra

Eu quis fazer um post sobre o dia da visibilidade trans (29 de janeiro), mas como vocês sabem, nem sempre dá. Então resolvi trazer isso pra vocês hoje.

Pessoas não-binárias também são trans. Geralmente elas são esquecidas nos discursos sobre transgeneridade, então resolvi transcrever esse guia muito útil escrito por Cari Lobo em um coletivo não-binário brasileiro sobre formas muito úteis e convenientes de tratar pessoas não-binárias oralmente!

Espero que gostem! Eu amei. :3

Os links do Google Translate do texto original foram tirados porque agora ele “corrige” pronomes “errados”. Continuar lendo